Elizabeth Schulz, psicóloga brasileira no Canadá

0
1718

Acompanhe a entrevista concedida à equipe da Wave e descubra um pouco mais sobre o mundo da psicologia.

Elizabeth Schulz

Nascida no Rio de Janeiro, a psicóloga carioca Elizabeth Schulz deixou o Brasil em 1988 com destino a Montreal. Formada pela PUC e pós-graduada pela Universidade Getúlio Vargas no Rio, Schulz queria dar continuidade a sua carreira profissional no Canadá. Formou-se em trabalho social na Universidade McGill. Enfrentou um grande desafio para aprender francês e inglês e considerou até mesmo, desistir da carreira.

Persistente, Schulz conseguiu seu primeiro trabalho como psicóloga na Clínica Luso, onde atendia a comunidade portuguesa de Montreal. Depois disso, sua carreira deslanchou e trabalhou como assistente social e psicóloga em instituições governamentais de saúde e hospitais. Hoje, Schulz é integrante da Ordem dos Psicólogos do Quebec.

Em quais atividades você está envolvida atualmente?
Schulz – Hoje trabalho para o Richardson Medical Center, um centro de readaptação crítico, em Montreal. Atendo pessoas que, por exemplo, após um derrame cerebral, não conseguem falar, ler ou se movimentar e precisam de um suporte psicológico. Esse atendimento também envolve as famílias dessas pessoas, que precisam de apoio para lidar com situações frustrantes. Também atendo clientes em meu consultório particular.

Como saber qual é o melhor momento para procurar ajuda profissional?
Schulz – Acho que cada um tem o seu próprio tempo. Acredito que cada pessoa sabe da sua própria dor e sofrimento. Os principais sintomas de uma pessoa que está perdendo o controle de si mesma são: quando ela passa a comer demais, ou não está comendo nada, quando a pessoa chora muito, evita sair de casa para não ter que enfrentar o desafio de falar outra língua. Procurar ajuda profissional é, com certeza, escolher um caminho menos sofrido para a solução.

Quais as dificuldades mais comuns para um psicólogo brasileiro exercer a profissão no Canadá?
Schulz – No Brasil, após completar cinco anos de graduação, o profissional já poderá ser aceito para o Conselho Regional de Psicologia, embora a maioria procure fazer especializações depois deste período. Aqui no Canadá, é exigido o título de doutorado, o que leva em torno de sete anos de estudos, para ser aceito na Ordem dos Psicólogos de sua província.

Quais são os principais problemas psicológicos enfrentados pelos imigrantes brasileiros, devido às mudanças culturais?
Schulz – Esse é justamente o tema da palestra que realizo aqui em Montreal: imigração e identidade. Todos nós temos uma história antes de chegar aqui. Especialmente para as pessoas que tem uma formação educacional sólida em seu país de origem, ao imigrar e não poder atuar rapidamente, pode sim afetar parte da sua identidade, porque você perde o reconhecimento. Os três problemas mais frequentes são: ansiedade, medo e depressão. Uma pessoa muito ansiosa pode desenvolver depressão.

Você atende clientes em seu consultório e também online, através do Skype. Por que iniciou esse modo de atendimento e como funciona?
Schulz – O atendimento pelo Skype começou por acaso. Nunca tive intenção de iniciar isso. O que aconteceu foi que alguns dos meus clientes estavam se mudando de Quebec para outras províncias, especialmente Ontário. Outros estavam voltando para o Brasil. Todos eles não queriam interromper a psicoterapia porque já tínhamos todo um histórico. Comecei atendendo por telefone mesmo, antes de surgir essa ferramenta maravilhosa que é o Skype.

Qual a sua dica para escolher um psicólogo?
Schulz – Acho muito importante a escolha de um psicólogo. Caso a pessoa não queira fazer a terapia online, pode procurar um profissional na sua cidade, através do registro canadense de psicólogos. O site do Canadian Register of Health Service Providers in Psychology é: www.crhspp.ca. Acredite que conversar com um psicólogo sobre o que está acontecendo com você, pode facilitar muito a vida!

Link

Elizabeth Schulz