Victor Mansure

0
722

Uma história que merece ser contada.

Por Danielle Marinho

Após assumir como técnico da seleção de basquete do Canadá para meninos surdos, o ex-jogador profissional brasileiro, Victor Mansure, realiza um grande sonho de criança: entrar na NBA.

O carioca, 28 anos, hoje é um contratado pela Maple Leafs Sports and Entertainment, empresa responsável pelo Toronto Raptors, equipe pela qual joga o ala-armador também brasileiro Leandro Barbosa. Victor atua como coordenador do desenvolvimento de basquete com clínicas, escolinhas e cursos voltados para a comunidade e é quem faz o contato do público em geral com a realidade dos treinos dos jogadores profissionais.

Há quatro anos Mansure comanda equipes de basquete para meninos com deficiência auditiva, e desde o ano passado comanda a seleção adulta de surdos do Canadá, com a qual foi 13º no Mundial da Itália em Setembro de 2011, e aguarda o novo confronto internacional no Brasil; os Jogos Pan Americanos que serão realizados em Junho deste ano, em São Paulo. Este mesmo será classificatório para a próxima Olímpiada da categoria.

Como você conseguiu conquistar esse sonho de chegar na NBA, a Liga Norte Americana mais conhecida de basquete?
Victor – Com a mudança do Brasil para o Canada junto com a minha família, e com o fato de haver uma equipe profissional na NBA no mesmo país em que eu morava, eu nutri um incentivo ainda maior para a busca deste sonho. Foi depois que assumi o time Canadense de basquete que, da ligação com meus atletas deficientes auditivos surgiu o primeiro contato com os dirigentes do Raptors. Quando eu treinava a equipe da região do Quebec há três anos atrás, iniciei um projeto para ajuda financeira deles, o que me fez divulgar em grandes empresas para arrecadar fundos e patrocínios, não só para os treinamentos, mas como materiais, uniformes, viagens, e despesas em gerais. Destes contatos, surgiu na empresa Maple Leafs a oportunidade de enviar meu currículo para brigar por uma vaga de emprego.

Posso dizer que na minha trajetória no Canadá as coisas têm acontecido muito rápido.

Como foi a sua trajetória até conquistar um cargo de confiança dentro de uma grande empresa?
Victor – Essa busca ficou ainda mais forte quando eu decidi largar as quadras como atleta para virar treinador. Posso dizer que na minha trajetória no Canadá as coisas têm acontecido muito rápido. Desde quando me mudei para Montreal há seis anos atrás, e parei de jogar basquete por conta de três cirurgias no joelho, me formei em Educação Física pela Universidade McGill, a mesma em que formou o inventor do basquete James Naismith, comecei a trabalhar com os meninos surdos, dei aulas em centros comunitários, colégios, fui convidado para ser o técnico da seleção do Canadá, e hoje estou numa empresa esportiva considerada uma das maiores dentre as Norte Americanas. A Maple Leafs Sports and Entertainment gerencia três grandes equipes profissionais do Canada, sediadas em Toronto: Toronto FC (Futebol), Toronto Maple Leafs (Hockey) e o Toronto Raptors (Basquete).

O que voce está fazendo exatamente como coordenador do desenvolvimento do basquete do Toronto Raptors?
Victor – Como coordenador do desenvolvimento de basquete (Basketball Development Coordinator) sou responsável por socializar o esporte em escolas, centros comunitários e clubes para pessoas de todas as idades, criando clínicas de basquete, escolinhas, camps, cursos para juízes, técnicos entre outros.

A greve inicial desta temporada da NBA 2011/2012 te atrapalhou de alguma forma?
Victor – A greve nesta temporada terminou em dezembro passado e já esta tudo acontecendo à todo o vapor. Inicialmente e diretamente a greve não me atrapalhou. Mas a empresa deste porte precisa funcionar com força total para obtermos sempre grande público nos jogos. A presença de grandes jogadores são importantes para a promoção de eventos, e de tudo que gira em torno disso. A demanda do público com a Liga acontecendo fica ainda maior.

Trabalhar na mesma equipe que o Leandrinho é um grande orgulho.

Como é fazer parte da mesma equipe do jogador brasileiro ala-armador Leandro Barbosa, 29, e que já está há mais de 8 anos na NBA? Vocês já se conheciam?
Victor – Sim, já, e temos alguns amigos em comum. Trabalhar na mesma equipe que o Leandrinho é um grande orgulho. Sempre acompanhei o trabalho dele nos jogos, e vivenciar essa proximidade é muito bom. Enquanto não começava a Liga conheci os técnicos que me convidaram a participar também dos treinamentos. Para mim é um prazer estar presente observando de perto um trabalho de alto nível dentro das quadras. Ele (Leandro) é um ícone muito forte do basquete brasileiro.

O que voce espera agora? Quais são os seus próximos desafios e perspectivas?
Victor – Eu espero ainda contribuir muito com a sociedade, com os jovens e continuar crescendo e fazendo um bom trabalho também com os atletas deficientes auditivos. Sempre quando surge alguma oportunidade de convidar pessoas para participar de algum evento, jamais esqueço das crianças surdas que são parte da minha história. Eles ainda precisam de muita ajuda, não só no Canada, mas como no Brasil também. O deficiente auditivo é um atleta como outro qualquer, e precisa sempre de apoio. Meus próximos desafios são concluir grandes projetos da minha empresa com sucesso de público. Quero mostrar meu trabalho também dentro da equipe da NBA e quem sabe continuar sonhando e nutrir expectativas ainda maiores na equipe principal.

Lute muito em busca dos seus sonhos.

Voce gostaria de mandar uma mensagem para os leitores da revista e para aqueles que ainda estão em busca de um sonho?
Victor – Lute muito em busca dos seus sonhos. Todos nós temos uma força incrível interior e se bem canalizada, faz ir além dos limites que pensamos em alcançar na vida. Sempre valorize e se dedique à sua casa, à sua familia, seus amigos e a vida também. No fundo eu acredito que as coisas materiais são secundárias e o que vale é o bem que deixamos…