Agnotologia. O que vem a ser isto?

Uma crônica para quem aprecia e desfruta de uma escrita rica em emoções, que nos fazem sentir, e de provocações, que nos fazem pensar. A cada semana uma nova publicação de Nilson Lattari, aqui na Brazilian Wave Online. Boa leitura!

0
37
Crônica de Nilson Lattari: Agnotologia. O que vem a ser isto? (Foto por Torsten Dederichs em Unsplash)

O nome é estranho, O termo é de autoria do Prof. da Universidade de Stanford, Robert Proctor. E foi escolhido para o estudo da produção política e cultural da ignorância. Coisa legal, não é mesmo?

E no final o que vem a ser isto? Interessante, estudar a ignorância e seus valores. Sim, valores, porque se alguma coisa acontece alguém está ganhando com isso. E, com certeza, não são os ignorantes, mas aqueles que não ignoram a importância de algumas situações no mundo para tirar vantagem. E, no caso, dos ignorantes.

Os ignorantes têm duas facetas: a questão da agnosis, ou seja, não saber, desconhecer, porque simplesmente não tem como explicar, e a questão dos ignorantes, não no sentido de não saber ou desconhecer, que fazem disso uma forma de vida, de ser um ignorante, comportar-se como tal. Em resumo, o sujeito ignorante que ignora e o sujeito que é ignorante agem como e também ignoram o que o outro pensa. Nesse caso, o que se comporta como ignorante diz apenas que é direto no falar e no dizer. O que me lembra o fato de que excesso de franqueza é… ignorância ou, simplesmente, falta de educação.

Enfim, a ignorância hoje é uma maré alta que resolveu chegar na nossa praia e fazer a farofada que quiser na areia, pouco se importando se incomoda ou não. Perde a vergonha e se assume.

Eu diria que existe uma ignorância intelectualizada. Que é a ignorância do sujeito que pouco se importa com o que está nos livros, até porque não tem a menor ideia sobre qualquer assunto ou não quer perder seu tempo com leituras enfadonhas. A ignorância, simplesmente, tira do seu sovaco as suas reflexões sobre o mundo e ignora, solenemente, o que os outros pensam: são ignorantes demais para compreender a própria ignorância.

O problema da ignorância é a ostentação, é um prazer imenso de se mostrar um ignorante. E se contenta com outros ignorantes que o cercam e vivem em uma bolha que ignora o resto da humanidade. Todos estão errados, eles estão certos.

O ignorante não ignora o argumento, porque ele é o argumento em si mesmo. Porque acredita que a ignorância está no outro e não nele.

A ignorância, hoje, nada tem a ver com a burrice (que os burros, no caso, os animais, me perdoem e, por favor, ignorem). Porque a burrice é uma ignorância que tem conserto, basta colocar o conhecimento e o burro vai parar de ignorar. Talvez haja uma dificuldade de aprendizagem. Mas isso não faz do burro um ignorante. O burro consegue evoluir e deixar de ser burro.

O ignorante, pelo fato de ignorar, sabe, exatamente, o que está fazendo. O importante é marcar um ponto de vista e tudo que está à direita e, por que não, à esquerda não existe. É, solenemente, ignorado.

Antes camuflada, a ignorância mostra a sua cara e se espalha pelo mundo, ou melhor, aparece para o mundo. É uma guerra perdida, desleal e única, porque ao final de tudo todos perderão, inclusive os ignorantes. Mas, pela sua própria característica, ignoram isso.

Gostou da crônica? Deixe abaixo (final da página), o seu comentário para o autor, Nilson Lattari. E não esqueça de “curtir” e “compartilhar” com amigos.

Leia outras crônicas de Nilson Lattari