Amor maduro

Uma crônica para quem aprecia e desfruta de uma escrita rica em emoções, que nos fazem sentir, e de provocações, que nos fazem pensar. A cada semana uma nova publicação de Nilson Lattari, aqui na Brazilian Wave Online. Boa leitura!

0
143
Na imagem de amor maduro tem o branco como cor mais forte. E traz beleza na suavidade das linhas e do movimento. Mostra um casal na faixa dos 80 anos Ele, mais aberto, e direto, olha diretamente para o leitor, com calma e sabedoria. Usa óculos. Ela, mais timida, desvia o olhar . Mas, aproxima o seu corpo do dele e toca o seu ombro co confianca e amor.  As mãos do casal, unidas e no centro da foto, mostram união e amor do casal.
Crônica de Nilson Lattari: Amor maduro (Foto por Marisa Howenstine em Unsplash)

Se quero um amor, por mais maduro que seja, que se encontre conquistado no lado extremo da vida, que seja o bolo da cereja de uma vida vivida, curtida, nutrida em cada um dos amores que passaram por mim.

O amor maduro é fruta que se colhe sem sustos, é a mata que se escolhe onde se quer madrugar.

É noite sem desatino, é beijar com o destino prolongando por mais tempo a vontade de amar. Algumas vezes é coisa briguenta, é um muxoxo com a boca, é uma teimosia bem louca, de não se deixar ceder o terreno onde por tanto tempo a gente teima em ficar.

Não é um amor embrutecido, esse amor da idade, é mais escolha, não vaidade, de saber que o tempo, essa coluna imbatível que nos assusta e nos impede na vida continuar, enfim é chegado. E o mais importante é curtir cada dia como se fosse o último, não que este último seja solidão, o final de tudo, mas que signifique, ao contrário, um recomeço, um diferente despertar.

Ele é mais sóbrio, mas não sombrio, diferente do jovem, esse ser tão altivo, que acha que a eternidade pertence somente a ele e a mais ninguém.

Este amor tão jovem parece um dia de sol que nunca vai se acabar. Mas a sombra, ao contrário, não é assustadora, ela é uma forma de se esconder, e que o som dos beijos apenas flutue, porque até o som dos beijos a gente aprende a apreender.

O tempo, quando avança, parece um cobertor de criança que a mãe põe para dormir. Parece solitário, é mais recôndito, calado, e somente entre quatro paredes é que quer remoçar.

Esse amor maduro é envergonhado, é tímido, de carícias rápidas ao ar livre, resguardado o recato, que se transforma em arte, longe de todos, no silêncio de um quarto. É mais conversado, mais passeado, mais vagaroso, mas nem por isso é menos fogo do que os outros amores têm.

Gostou da crônica? Deixe abaixo (final da página), o seu comentário para o autor, Nilson Lattari. E não esqueça de “curtir” e “compartilhar” com amigos.