Entrevista com o cantor e ator Gabriel Sater

O cantor e ator fala sobre o momento de sucesso, a parceria com o pai Almir Sater e muito mais...

Gabriel Sater, 42 anos, está tendo um ano de muito sucesso e visibilidade, impulsionado pelo papel do peão Trindade, seu personagem no remake da novela Pantanal, mais uma das grandes audiências recentes da TV Globo. Porém, este não é o único motivo. O canto impecável que ele vem fazendo da belíssima canção “Amor de índio”, que teve a participação do maestro João Carlos Martins ao piano, e que é o tema principal do casal Juma e Jove no folhetim, também está contribuindo para todo esse frisson que o artista vem despertando no público.

O sucesso de Gabriel, que é filho de um dos principais cantores das modas de viola brasileiras e ator, Almir Sater, não é recente, afinal ele já vem trilhando uma carreira admirável e de muitas conquistas ao longo dos seus 22 anos de profissão como cantor. Já como ator, a sua trajetória também não é diferente, inclusive ele já foi premiado nos Estados Unidos por ter sido eleito o melhor ator protagonista com o filme “Coração de Cowboy”.

Porém, foi recentemente que ele despontou ainda mais alto e ficou bastante conhecido do grande público, durante a segunda edição da trama rural, uma história repleta de paixões, mistérios e uma fotografia estonteante – algo que ajudou a retomar a ótima audiência para o horário nobre da emissora.

O músico conta que ficou admirado com a abrangência da novela e que sentiu bem de perto o carinho do público. “A novela é uma instituição nacional. Em horário nobre então, nem se fala! A nossa imagem chega por meio dela a lugares tão distantes, em cada casa… locais que eu nunca conheci ou imaginei estar pessoalmente, onde a minha música jamais chegou! Isso é tão sensacional!” – enfatiza o ator. E ele destaca ainda: “O carinho do público é maravilhoso, eu fico muito feliz pelo reconhecimento de um trabalho bem-feito, por uma atuação convincente e, principalmente, por emocionar as pessoas com a minha música” – destaca.

Ele afirma também que reviver o papel interpretado pelo pai foi uma experiência sensacional. E melhor ainda, junto com ele, pois Almir também esteve presente na trama deste ano, só que agora vivendo outro papel. “Foi maravilhoso poder interpretar esse personagem icônico ao lado do meu pai, que foi o seu intérprete original. Eu pesquisei muito com ele sobre a construção do Trindade lá de 1990. Nós conversamos muito sobre a novela original, os bastidores, as lendas e os mitos pantaneiros… Foi uma escola!” – conta Gabriel.

Advertisement | Anúncio

Sobre a vida pessoal, o astro é bastante reservado. Ele está casado há 16 anos com a produtora Paula Cunha, 42 anos e eles não têm filhos.

ENTREVISTA COM GABRIEL SATER

1- BRAZILIAN WAVE – Como foi para você fazer a novela Pantanal ao lado do seu pai, Almir Sater, num papel que já tinha sido interpretado por ele na primeira versão? Ele te deu algumas dicas?

Gabriel SATER – Foi maravilhoso poder interpretar esse personagem icônico ao lado do meu pai, que foi o seu intérprete original. Eu pesquisei muito com ele sobre a construção do Trindade lá de 1990. Nós conversamos muito sobre a novela original, os bastidores, as lendas e os mitos pantaneiros… Foi uma escola! A principal dica que meu pai me deu foi buscar a minha construção do Trindade, buscar o meu caminho, pois assim eu poderia apresentar um personagem original.

2- BRAZILIAN WAVE – Existiu algum tipo de comparação entre você e o seu pai, tanto na novela, por você ter vivido o mesmo personagem que ele, quanto durante a sua trajetória musical? Se sim, como você lidou com isso?

GABRIEL SATER – Sempre existiu e existirão comparações entre mim e o meu o pai, em qualquer trabalho que possamos realizar. Eu lido com isso da melhor forma possível, pois estou sendo comparado a um mestre em sua arte. Como não encarar isso como um elogio!? Somos pai e filho, mas buscamos sempre construir nossos caminhos artísticos individualmente, cada um à sua maneira, priorizando sempre, é claro, o respeito à arte e qualidade musical. Eu tenho uma profunda admiração pela obra do meu pai e ele sempre será uma das minhas principais referências na música.

3- BRAZILIAN WAVE – Além do seu pai, quais foram os atores que serviram de inspiração para você na teledramaturgia e no cinema?

GABRIEL SATER – Nossa, eu admiro tantos atores que seria injusto citar apenas alguns nomes, mas Jackson Antunes é um ator maravilhoso com quem eu tive a honra de trabalhar. Ele fez o meu pai no filme “Coração de Cowboy” e eu tenho um enorme carinho por ele. O Marcos Palmeiras também, pois além de um ator maravilhoso é um ser humano formidável. É tão bom quando podemos admirar tanto a arte quanto a pessoa por trás dos personagens, não é!? Eu acho isso sensacional! Especificamente para construir o Trindade, a minha inspiração veio de mais de 150 filmes e episódios de séries com a temática suspense e terror, que assisti e reassisti. Pessoalmente, eu sou muito fã desses gêneros, então foi um prazer rever grandes e novos clássicos para trazer essa densidade para o “peão com pacto”… He he he! Eu não priorizei um artista apenas, pois fui fundo na temática. O filme como o clássico “O Exorcista” e séries como “Taboo, Penny Dreadful e Desalma” foram companheiras de longas horas.

4- BRAZILIAN WAVE – Quais foram as maiores dificuldades encontradas por você na carreira?

GABRIEL SATER – Eu comecei na música como instrumentista e confesso que não é um mercado fácil para se trabalhar no Brasil, pois não é muito valorizado. Além disso, é um trabalho extremamente técnico e que exige dedicação absoluta. Um instrumentista tem a rotina de um atleta, pois deve estudar assim como um deles tem que treinar. Outra dificuldade que eu posso afirmar que todo músico ou cantor em começo de carreira tem no Brasil é o acesso à divulgação da sua música nas rádios. Poucas delas dão espaço para artistas novos, pois o que acabada definindo as grades de programação é o valor investido para a música tocar. Porém, os artistas novos não têm, justamente, o dinheiro para investir, né? Por isso, eu sou extremamente grato às rádios que abriram as portas para a minha música quando eu ainda era desconhecido do grande público.

5- BRAZILIAN WAVE – Você declarou ter se emocionado bastante ao término da novela com o desfecho do seu personagem. Como foi esse momento? Você gostou do destino que o autor deu para ele?

GABRIEL SATER – Todo final é sempre muito triste. Eu costumo me apegar muito aos personagens que interpreto, pois me dedico demais e vivo para aquele ser durante a realização do trabalho. Pensar em nunca mais vestir aquele figurino, entrar naquela locação, encontrar os amigos queridos de elenco é de doer o coração. O Bruno Luperi fez um trabalho maravilhoso! Pantanal é um sucesso absoluto e eu serei eternamente grato por esta oportunidade que ele me deu. Essa novela mudou a minha vida! Agora, como fã que eu sou do casal “Trirma” (Trindade e Irma), com certeza eu desejava que o final deles fosse diferente da primeira versão na novela.

6- BRAZILIAN WAVE – Como você lida com o assédio do público? Já houve alguma situação mais complicada ou que tenha passado dos limites no que diz respeito a esta questão?

GABRIEL SATER – O carinho do público é maravilhoso, eu fico muito feliz pelo reconhecimento de um trabalho bem-feito, por uma atuação convincente e, principalmente, por emocionar as pessoas com a minha música. Eu não posso reclamar dos fãs que me param, pois é sempre uma abordagem positiva, com muito amor e respeito. Nas redes sociais também é uma chuva de afeto e positividade. Muito obrigado a todos por esse amor!

7- BRAZILIAN WAVE – Apesar de você já ter feito outros trabalhos, tanto na TV quanto no cinema, inclusive com a conquista de um prêmio nos Estados Unidos como o melhor ator protagonista no filme “Coração de Cowboy”, o seu personagem em Pantanal te tornou mais conhecido e próximo do grande público por estar em uma novela do horário nobre? Você sentiu essa diferença?

GABRIEL SATER – Com certeza! A novela é uma instituição nacional. Em horário nobre então, nem se fala! A nossa imagem por meio dela chega a lugares tão distantes, em cada casa… lugares que eu nunca conheci ou imaginei estar pessoalmente, onde a minha música jamais chegou! Isso é tão sensacional! É uma história de amor e respeito à natureza e à vida, que chega em cada recanto desse país e nos une a todos para comentar, rir e chorar. Hoje em dia isso é raro! Portanto, eu fico extremamente feliz que uma novela rural, com enfoque na preservação ambiental do bioma do Pantanal, algo tão significativo pra mim, tenha gerado tanto amor e engajamento. Viva o Pantanal!

8- BRAZILIAN WAVE – Você já pensou em expandir a sua carreira em âmbito internacional, lançar músicas com cantores estrangeiros ou mesmo fazer algum personagem em alguma produção no exterior? Já surgiu algum convite?

GABRIEL SATER – Quando eu penso nos atores, diretores e músicos estrangeiros que eu admiro tanto, não dá pra não sonhar com a possibilidade de trabalhar com eles um dia. É muita gente boa e talentosa nesse mundão pra se fazer um “feat”! Agora que eu acabei de gravar a novela, estou totalmente focado nos meus shows, pois durante as gravações de Pantanal foi quase impossível conciliar. Felizmente, eu estou fazendo muitos shows, mas ainda quero levar a minha música para os lugares mais distantes, para onde eu nunca fui. Isso inclui os países onde nunca toquei e o Canadá está nessa lista. Eu participei de uma live para o público brasileiro no Canadá no começo da pandemia, em 2020 e a receptividade foi especial. Espero em breve estar pessoalmente no Canadá para fazer muita música boa e receber muitos abraços calorosos.

9- BRAZILIAN WAVE – Quais são os seus próximos projetos?

GABRIEL SATER – Eu estou rodando o Brasil com o meu novo show “Noites Pantaneiras”, que traz no repertório composições autorais, muitas músicas apresentadas na novela Pantanal (2022) e releituras de temas de grandes artistas que foram importantes na minha carreira. Além desse show, eu também estreei um show super especial ao lado do maestro João Carlos Martins, um ícone da música erudita mundial, e sua orquestra Bachiana Filarmônica Sesi SP, intitulado “Do Clássico ao Pantanal”. Agora nós estamos trabalhando para rodar o Brasil e o mundo com esse show. Ainda esse ano, sairá o meu novo álbum “Erva Doce”, lançado ao longo da exibição da novela Pantanal e que virá recheado de músicas com alma pantaneira. As músicas e videoclipes desse CD já vem sendo lançadas mês a mês nas plataformas digitais e no Youtube. Até dezembro, eu lançarei o trabalho completo com um encarte especial e muitas fotos lindas para colecionador, hein! Confiram as canções e videoclipes do álbum Erva Doce no meu canal oficial www.youtube.com/gabrielsateroficial. E me sigam no Instagram @gabrielsateroficial para mais novidades. Um beijo para todos!

Advertisement