Um passeio pela serra da Mantiqueira, o destino do Globo Repórter desta sexta-feira no Canal Internacional da Globo

Serra da Mantiqueira é o destino do ‘Globo Repórter’ no dia 1 de julho (sexta-feira) no Canal internacional da Globo. O programa percorre a Trilha da Águas, passando por cinco cidades do Sul de Minas: Baependi, Aiuruoca, Itamonte, Alagoa e Pouso Alto

1
69

Na tradução do tupi-guarani, Mantiqueira é “serra que chora”. Nesta região com 1200 nascentes e 240 cachoeiras, o Globo Repórter faz uma verdadeira expedição exibida nesta sexta-feira, 1º de julho.

A Mantiqueiraé a serra mãe das águas”. Assim Lorena Brito, diretora do Parque Estadual Serra do Papagaio, definiu o local. Ela também nos diz que na serra da Mantiqueira estão as maiores e mais bonitas cachoeiras de Minas Gerais.

Mantiqueira, a serra mãe das águas

O Globo Repórter desta sexta-feira, 1º de julho, é o resultado de uma viagem de 23 dias na trilha das águas do sul de Minas Gerais, na serra da Mantiqueira. Nesta coprodução da TV Globo e da EPTV, Paulo Gonçalves e demais membros da equipe de reportagem percorrem o entorno do Parque Estadual da Serra do Papagaio nas cidades de Baependi, Aiuruoca, Itamonte, Alagoa e Pouso Alto.

Uma bela queda com grande volume de águas limpas e brancas. Cachoeira do Juju, em Baependi, Minas Gerais, Brasil.
Cachoeira do Juju, em Baependi. (Foto: Secretaria de Turismo de Minas Gerais)

Baependi

Em Baependi, a bela Cachoeira do Jujú desafia os visitantes. O Cânion do Cavalo Baio, por exemplo, é o maior trecho de rapel do Brasil. “O cânion foi uma aventura que exigiu coragem para pular nos poços do caminho estreito. Mas, a descida de 600 metros em um rapel com cachoeira foi mais difícil. A água desestabiliza o tempo todo e faz a gente escorregar. No trecho sem apoio dos pés, deu para curtir mais o visual, flutuando com a ducha da Mantiqueira. Foi radical e inesquecível”, conta o repórter Paulo Gonçalves. 

Aiuruoca

Em Aiuruoca, a equipe visitou a Cachoeira dos Garcia. Suas águas com 30 metros de queda formam um visual de tirar o fôlego. E são muitas as cachoeiras, duchas e poços de águas limpas a atrairem turistas a esta típica cidadezinha mineira.

  • Aiuruoca está no entorno do parque. É uma cidade bem pacata e charmosa. Dali, de toda parte, pode-se ver o Pico do Papagaio, cuja beleza chama a atenção de todos. Fundada em 1706, a cidade de cerca de 6 mil habitantes tem no turismo uma importante fonte econômica. Bem ordenada, conta com pequenos hotéis, pousadas, restaurantes, cafés e rede de guias. Estes são importantes apoios para quem quer conhecer e se divertir em suas montanhas e vales. Aiuruoca sabe do valor de suas águas e matas e por isso, tem seus “olhos verdes mirando o futuro”. Não à toa, tem sido cada vez mais procurada por ecoturistas e investidores.
  • Aiuruoca significa “casa de papagaio”. É um nome formado pela junção dos termos aîuru (papagaio) e oka (casa). Há séculos, então, sua população dá importância aos muitos tipos de papagaios da região. Inclusive à espécie papagaio-de-peito-roxo, ameaçada de extinção.
Vista geral da pequena e ordenada cidade de Aiuruoca em Minas Gerais, Brasil. Ao fundo, o elevo de três morros que conformam o Pico do Papagaio.
Vista geral da cidade de Aiuruoca com o Pico do Papagaio ao fundo. (Foto: Secretaria de Turismo de Minas Gerais)
A cachoeira dos Garcias tem 30 metros de queda. Recebida pelas águas frias e impas de um poço,  é protagonista de um visual deslumbrante da região de Aiuruoca, formado por matas e campos de altitude.
Cachoeira dos Garcias. As águas com seus 30 metros de queda dão um visual especial à região de Aiuruoca. (Foto: Secretaria de Turismo de Minas Gerais)
O papagaio-de-peito-roxo apresenta plumagem geral verde e penas arroxeadas no peito. Os pequenos detalhes em tom vermelho no bicos e nas asas aumentam a beleza destas aves. A espécie encontra-se ameaçada de extinção devido à caça predadória e à destruição ou fragmentação da mata Atântica.
Foto ilustrativa do papagaio-de-peito-roxo. Esta bela espécie ameaçada de extinção tem plumagem geral verde e penas arroxeadas no peito, (Foto: Ivelise Hey, CC BY-SA 4.0 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)

O Vale das Araucárias e a travessia Marins-Itaguaré

A equipe do programa Globo Repórter seguiu em sua aventura. Em outra parte da serra da Mantiqueira, passaram pelo Vale das Araucárias. Neste, além da área naturalmente povoada pelas altas e bem formadas araucárias, as câmeras flagraram belas aves. Um show de cores, penas e plumas voando em bandos. Os muitos gritos animados sempre chamam a atenção de todos.

Paulo Gonçalves e os repórteres cinematográficos Pedro Santana e Marcelo Morais escalaram os céus da Mantiqueira na travessia Marins-Itaguaré. As dificuldades no percurso a colocam como uma das mais técnicas do país. Em três dias de acampamento a mais de 2.000 metros de altitude, percorreram a crista da montanha até as nascentes mais altas da serra da Mantiqueira.

 “A subida do Pico do Itaguaré também exigiu superação. Fazer imagens e escalada acima dos 2.000 metros de altitude dá um gelo na barriga. Mas, a sensação de provar a água pura da montanha, que é geladinha e refrescante, compensou todo o esforço”, garante Paulo. 

Foto ilustrativa tirada durante a travessia do Pico dos Marins para o Itaguaré. (Foto: Ederson Ladeira da Silva, CC BY-SA 4.0 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0, via Wikimedia Commons)

Bons azeites, queijo premiado e café com prosa

Mas, nem tudo foi sacrifício! No Vale do Gamarra, a equipe do programa provou um azeite premiado em Portugal. A colheita de suas azeitonas é delicada e manual. Colhe-se uma por uma. Em Passa Quatro e Alagoa, foi a vez da experimentação de queijos, um deles premiado na França. “Eu sou doido por queijo. Em Passa Quatro, o queijo feito com casca de ipê amarelo tem uma casquinha e é macio por dentro. Já o queijo premiado de Alagoa tem sabor mais encorpado e também é uma delícia. Os donos da fazenda ainda trouxeram um cafezinho e aí a prosa foi longe. Os sabores do sul de Minas fazem a gente perder a linha e esquecer da balança”, diverte-se o jornalista. 

O Globo Repórter da serra da Mantiqueira, no sul de Minas Gerais, vai ao ar na sexta-feira, 1º de julho, a partir das 21h35 (horário de NY), no canal internacional da Globo.

Leia mais sobre Aiuruoca:

  1. Em Aiuruoca, espécies raras de aves encontram refúgio em mata reflorestada na Serra da Mantiqueira. (O Globo-G1)
  2. Um passeio por Aiuruoca. (Guia Turismo Brasil)
  3. Site oficial da cidade de Aiuruoca. (Prefeitura Municipal de Aiuruoca)
  4. Hotéis de luxo em Aiuruoca. (Luxury Hotels Guides)

 

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.