Revista Wave Canadá 103: Bryan’s Place. Um lugar onde todos têm liberdade para ser como são

Por Alecsandra Maciel, Toronto

Membros da Bryan’s Place (esquerda para direita): Daniela Mossini, Alecsandra Maciel, Lorena Sinato e Lorena Ubeda

Sempre ouvimos falar o quanto é difícil a jornada da imigração para todos. Agora, imaginem como é esse processo para as famílias com crianças atípicas? Foi pensando em acolher e orientar essas famílias que surgiu o Bryan ‘s Place.

Tudo começou quando um grupo de mães latinas, sendo três delas brasileiras, decidiram fazer a diferença na comunidade oferecendo uma rede de suporte e acolhimento para famílias de crianças e jovens com necessidades especiais. Elas perceberam que muitas famílias de imigrantes com crianças neuro diversas não sabem por onde começar nem onde encontrar os recursos necessários para prover uma melhor qualidade de vida aos filhos.

Ter uma criança atípica é um desafio diário. Além de ter se desdobrar para atender às necessidades do filho, as famílias têm que lidar com questões relacionadas a aceitação, adaptação, acessibilidade, terapias e recursos disponíveis.

“Quando o Bryan nasceu, há 19 anos atrás, eu precisei de muita orientação e tive que percorrer uma longa estrada para enfrentar os diversos desafios que a maternidade atípica traz”. Afirma Lorena Sinato, fundadora do projeto e mãe do Bryan, o qual nome e vida serviram de inspiração para a idealização do projeto.

Atividades em grupo, ao ar livre, coordenadas por membros da Bryan’s Place

E como não fosse suficiente, estas famílias passam a enfrentar desafios ainda maiores quando os filhos atípicos atingem a idade dos 18 anos, que é quando, aqui no Canadá, os recursos financeiros são reduzidos drasticamente. Por isto, o Bryan ‘s Place acolhe crianças e jovens promovendo eventos como piqueniques e sessões de cinema adaptados para as necessidades especiais deste público. “O projeto ainda está no começo e ainda temos muitos horizontes a ampliar, mas estamos dispostas a ir à luta e agir como uma rede de apoio para estas famílias” afirma Daniela Mossini, co-fundadora e também mãe de crianças atípicas.

O grupo de mães ainda conta com Alecsandra Maciel, relações públicas do projeto, além da mexicana Lorena Ubeda, tesoureira, dentre outras. Todas mães atípicas que atuam de forma voluntária porque querem fazer a diferença na vida de outras familias. “O caminho é mais suave quando não estamos sozinhos”, afirma Alecsandra.

Em julho passado foi realizado o primeiro evento de arrecadação de fundos; um churrasco no parque onde as famílias se encontraram e puderam contribuir participando das atividades oferecidas (bingo, venda de lanches, pinturas, jogos). Isto é importante pois o estabelecimento de uma organização de caridade no Canadá requer procedimentos jurídicos os quais têm custos a pagar.

O projeto segue promovendo eventos para jovens e crianças atípicas como piquenique, discoteca e sessões de cinema. Tudo adaptado para a necessidade de cada um. Assim como, também, eventos para os pais e cuidadores com o intuito de orientar sobre assuntos relacionados ao desenvolvimento dos filhos e atividades de bem estar físico e mental.

No Bryan’s Place estas famílias encontram acolhimento, suporte, empatia, inclusão, e aceitação à diversidade. O caminho não é fácil, mas juntas a famílias são mais fortes.
Para maiores informações sobre os eventos, parcerias, doações e voluntariado, siga o IG @bryansplace2022 ou envie mensagens para [email protected]