A arte de emagrecer em revistas

0
55

Um dia desses, estava na sala de espera de uma academia de Pilates, essa arte de se expor em aparelhos semelhantes às camas de torturas da Idade Média, com seus penduricalhos caindo do alto, esticadores sustentados por molas, e exercícios de contorcionismos em formas abauladas, quando me deparei, à minha esquerda, expostas em cabides, diversas revistas dessas que mostram em suas capas fórmulas consagradas e definitivas de emagrecimento.

Emagrecer, hoje, é o grande mistério que abastece o inconsciente coletivo. Todos e todas se sentem gordinhos, carregadores de pochetes, breves a se transformar em pneumáticos infláveis ao redor do corpo, isso de acordo com as expressões que os descontentes empregam para si mesmos.

Mas, não é esse o caso discutir os eufemismos balofos. O interessante são as manchetes anunciando as fórmulas milagrosas, com chás emagrecedores, ou secadores, na linguagem dos descontentes, ou então a combinação fantástica de frutas, cereais novos e misteriosos, misturas de ingredientes recentemente descobertos pela medicina dos leitores, no seu boca a boca espalhando as últimas novidades.

Cada uma delas garante, sem sombra de dúvida, um tempo pré-definido de uma semana, precisamente o tempo de duração até o próximo lançamento da revista, com outra fórmula milagrosa e fotos de leitoras super felizes com as aplicações de emagrecimento. As revistas vendem aquilo que todos desejam comprar, a qualquer preço.

A curiosidade minha veio, justamente, dessa combinação de manchetes, enfileiradas nos cabides. Resolvi somar todas elas e cheguei à conclusão que ao final de dez a doze semanas, as candidatas e candidatos a emagrecimento mágico teriam desaparecido no ar.

Não. Acredito que qualquer um que faça essas contas chegará a esta brilhante conclusão. Há quanto tempo procuramos fórmulas mágicas para a solução dos nossos problemas? Desde encontrar o corpo perfeito, na busca do amor, na busca do emprego ideal, na busca de um sentido de vida, na busca de explicações de nossas crenças. E as procuramos nas bancas de jornal, na internet.

Antes, a leitura dos horóscopos nos dava uma esperança em adivinhar o futuro, depois o aparecimento dos gurus, e agora a medicina é a aposta, com uma sociedade cada vez mais medicamentosa.

Capas de revistas, conselhos de famosos e famosas substituem as bulas dos remédios, e muitas vezes os profissionais da medicina.

Somando tudo isso, chegamos à conclusão que estes tempos anunciam os tempos das expectativas, que estão muito além das nossas esperanças, criando um mundo cada vez mais imperfeito, na medida em que nosso desejo de perfeição se aperfeiçoa.

Nilson Lattari. NILSON LATTARI é carioca, e atualmente morando em Juiz de Fora (MG), escritor, blogueiro em www.nilsonlattari.com.br e Facebook/blognilsonlattari. Vencedor do 29º Concurso de Contos Paulo Leminski 2018, Prêmios UFF de Literatura 2011 e 2014 e Prêmio Darcy 2014. Finalista em Livro de contos Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romance Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em Poesia, Crônicas e Contos. Foi operador financeiro mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. Ambos levam ao infinito, porém em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem se valer da imaginação para um universo inexato e sem explicação.