Entrevista com Eric Willrich, brasileiro, Tenente-Coronel das Forças Armadas Canadenses

"Como membros dos Snowbirds, não voamos apenas em shows aéreos; visitamos escolas, clubes juvenis, museus e muitos outros lugares e locais, deixando crianças e adultos entusiasmados com a aviação."

1
261
Eric Willrich, brasileiro, Tenente-Coronel das Forças Armadas Canadenses (Foto: arquivo pessoal)

O 437 Transport Squadron é formado por 87 membros das Forças Armadas Canadenses e 62 técnicos e gerentes da L3Harris (manutenção contratada). 2020 foi um ano agitado para 437 Transport Squadron. A tripulação do CC-150 está participando da Operação LASER, a resposta das Forças Armadas Canadenses (CAF) à uma situação de pandemia mundial, fornecendo transporte ao pessoal médico para diferentes locais para apoiar os canadenses nestes tempos difíceis.

Entre as missões, o gaúcho conversou com Wave sobre sua vida, seus sonhos e sua carreira extremamente interessante.

Wave – De que cidade do Rio Grande do Sul você é?
Eric – A família do meu pai é toda de Novo Hamburgo mas eu nasci em Pelotas. No entanto, não morei lá e passei a maior parte dos meus anos de formação não muito longe, na zona de Sant’Ana do Livramento, junto à fronteira com o Uruguai, também conhecida como “Fronteira da Paz”.

Wave – Como você começou sua carreira como piloto?
Eric – Meu pai costumava dizer que comecei minha carreira como piloto com um sonho – um sonho que começou debaixo de um assento na área superior do Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio. Minha primeira vez em um avião foi quando eu tinha dois anos e estávamos indo para os Estados Unidos para visitar meus avós (pelo lado da minha mãe). Disseram-me que talvez não gostasse da ideia de voar ou estar em aviões até que meu pai me levasse para a área de visualização, onde me escondi sob um assento de plástico, pois todo o barulho do jato aparentemente me assustou. Papai finalmente me convenceu a sair de baixo do assento para olhar as máquinas maravilhosas que faziam todo aquele barulho. Ele disse que assim que me pegou e vi o que estava acontecendo lá fora, fiquei hipnotizado e, a partir daquele momento, passei o resto da minha infância olhando para cima, me perguntando de onde todos os aviões que vi tinham vindo e de onde eles estava indo e sonhando em um dia estar no controle de um deles.

Wave – Por que você escolheu o Canadá? Você veio com sua família?
Eric – Minha mãe escolheu o Canadá para nós depois que meu pai faleceu. Tínhamos amigos da família em Regina que se ofereceram para nos ajudar a ficar de pé após a morte do meu pai. Essa rede de apoio que tínhamos por meio da igreja onde meu pai havia sido pastor, juntamente com o que minha mãe considerava um lugar para dar a nós crianças uma chance melhor de vida, nos fez mudar.

Wave – O que você precisa fazer para se tornar um piloto aqui?
Eric – Para ser um piloto no Canadá, você precisa de uma das duas coisas: 1. dinheiro suficiente (muito dinheiro) para pagar sua própria licença; ou

  1. uma bolsa de estudos do serviço militar na qual você não apenas NÃO tinha que pagar para aprender a voar caso continuasse passando, mas eles realmente lhe pagariam. Os segredos para conseguir esse tipo de bolsa eram passar em uma enxurrada de exames de admissão, boas notas (especialmente em ciências), trabalho voluntário / comunitário, envolvimento em esportes e coisas assim. Essas bolsas ainda existem hoje.

Wave – O processo é semelhante ou diferente do Brasil?

  1. A opção de ter dinheiro para pagar o treinamento é uma possibilidade, mas, novamente, com o custo do treinamento de vôo, para a maioria dos seres humanos normais, é proibitivamente caro.
  2. Juntar-se ao exército no Brasil também é extremamente competitivo, com muitos candidatos a poucas vagas. Dito isso, com muito trabalho e dedicação, a oportunidade também existe.

Wave – Há algum outro brasileiro na Força Aérea Canadense?
Eric – Não muitos que eu conheça, mas há uma família com três irmãos, originários de Esteio (também no RS), dois dos quais estão na Força Aérea como engenheiros e o irmão mais novo está no Exército.

Wave – O fato de você vir de outro país foi um desafio ou um entrave?
Eric – Inicialmente foi um empecilho, pois eu precisava de um número de seguro social e vários outros documentos, incluindo cidadania canadense, a fim de me candidatar a oficial da Força Aérea. Levei muito tempo para resolver tudo isso e mesmo depois de fazer isso, houve uma longa espera até que o processo de recrutamento chegasse até mim.

Wave – Existe diferença entre trabalhar para uma companhia aérea e trabalhar para a Força Aérea?
Eric – Com certeza. Pelo que ouvi, a vida nas companhias aéreas é particularmente boa quando a economia está indo bem. Você viaja pelo mundo enquanto leva as pessoas aos seus destinos. Mas, uma vez que os motores da aeronave são desligados, o trabalho geralmente está feito até a próxima vez que eles vão voar.
Na Força Aérea, somos oficiais primeiro. Fazemos treinamento de oficiais e aprendemos como liderar pessoas, realizar tarefas complexas e pensar fora da caixa antes mesmo de tocar em uma aeronave. Então, mesmo depois de terminar o treinamento de vôo, nunca paramos de aprender e evoluir como aviadores e oficiais profissionais. Portanto, você não é apenas responsável pela aeronave que voa como em uma companhia aérea, mas também é responsável por liderar e orientar companheiros de esquadrão, tropas, mecânicos, pilotos mais novos que você, e também fazer sua parte para garantir que seu esquadrão está funcionando como seu comandante e a Força Aérea querem.

Wave – Como foi sua experiência com os Snowbirds?
Eric – Foi incrível – alguns dos anos mais memoráveis ​​da minha carreira. Eu era um piloto instrutor no Centro de Treinamento de Voo da OTAN, que fica na mesma base onde os Snowbirds estiveram desde que começaram a voar de volta no início dos anos 70. Uma vaga ficou disponível devido à mudança de um dos caras e um dos meus amigos que havia se juntado recentemente ao time perguntou se eu estaria interessado em tentar. Tudo aconteceu rapidamente. Tive uma entrevista com o Comandante, fiz um tour pelo esquadrão e conheci alguns dos outros caras. Não recebi uma ligação oficial “você está pronto para ir” até alguns dias depois. Depois de oficializado, aconteceu ainda mais rápido. Como já havia pilotado o jato Tutor antes, consegui completar meu treinamento bem rápido e pegar a estrada. Ter a chance de representar meu país adotivo, aquele que me abraçou quando cheguei e me deu a oportunidade de seguir meus sonhos, foi fantástico. Como membros dos Snowbirds, não voamos apenas em shows aéreos; Visitamos escolas, clubes juvenis, museus e muitos outros lugares e locais, deixando crianças e adultos entusiasmados com a aviação. Meu objetivo era apenas fazer as pessoas sorrirem e perceberem que éramos pessoas comuns, com um trabalho legal, enquanto cumpríamos o objetivo oficial do Esquadrão que é demonstrar a habilidade, profissionalismo e trabalho em equipe de todos os membros das Forças Armadas Canadenses , em eventos por toda a América do Norte.

Wave – Você pilotou helicópteros em missões especiais. Como foi? Houve alguma situação que mais te marcou?
Eric – Essa foi minha primeira tarefa depois de me formar como piloto. Como parte do 430 Squadron em Valcartier, Quebec, eu tive que fazer missões de reabastecimento no alto ártico, manutenção da paz nos Bálcãs, transporte VIP para cúpulas realizadas em todo o Canadá, bem como inúmeros exercícios e missões em toda a América do Norte, mas aquela que mais me marcou, foi fazer parte da missão da ONU ao Haiti no início dos anos 2000. O voo foi incrível porque o terreno e o país são lindos, mas o papel que desempenhamos em ajudar as pessoas que realmente precisavam de nossa ajuda foi o que mais me tocou. Precisamos levar alimentos e suprimentos para lugares que perderam o acesso rodoviário devido às enchentes e manter essa linha de vida aberta. Fizemos evacuações médicas de pessoas doentes e feridas e os levamos para o atendimento de emergência, sem os quais eles provavelmente não teriam sobrevivido em outras missões semelhantes, seis dias por semana. O que eu mais esperava eram os dias de folga aos domingos, quando muitos de nós nos juntávamos ao pessoal da CIMIC (Cooperação Civil e Militar). Recebíamos remessas de material escolar, roupas, brinquedos, etc. do Canadá e, aos domingos, tínhamos que levar para escolas, orfanatos e centros comunitários para doar às pessoas necessitadas. Poder entregar um pouco de felicidade, um pouco de esperança, uma mudança no dia a dia das crianças que o destino colocou em lugares como Cité Soleil é algo que nunca esquecerei.

Wave – Conte-nos sobre seu cargo recém-nomeado. O que significa para você transportar membros do governo?
Eric – O esquadrão que recebi a honra de liderar por alguns anos é o único provedor de reabastecimento aéreo estratégico, tropas em grande escala e transporte VIP que nossa Força Aérea possui. Todos que transportamos são VIP para nós – desde o jovem soldado que embarca para uma missão no exterior, até o primeiro-ministro que vai a uma cúpula do G20 no meio do mundo. Nosso trabalho e responsabilidade são garantir que as pessoas sob nossos cuidados cheguem com segurança na outra extremidade. Transportar as autoridades eleitas de nossa nação e a liderança do governo é legal quando você pensa nisso, mas, novamente, estamos apenas fazendo o nosso melhor para fazer o trabalho da forma mais eficiente e segura possível.

Wave – Existe um protocolo diferente para o PM e Governador Geral e outro nível de governo?
Eric – Definitivamente há. Nossas equipes ficam sabendo do que as pessoas que transportamos gostam e não gostam. A rainha gosta de flores no banheiro e a governadora geral aprecia um café bom e forte, por exemplo. Gostamos de garantir que as pessoas que transportamos tenham uma experiência o mais positiva possível e sempre fazemos o possível para garantir que cheguem bem alimentadas, descansadas e prontas para começar a correr do outro lado da linha.

Wave – Você tem alguma história sobre trabalhar com um PM ou funcionário do governo conhecido?
Eric – Eu conheci a atual governadora geral Julie Payette em um show aéreo há mais de uma década, quando ela trabalhava para a Agência Espacial Canadense. Há alguns anos, tive que levá-la em algumas viagens em seu novo cargo. Sendo uma amante da aviação, ela gosta de passar o tempo na cabine de comando com os pilotos. Eu realmente gostei de conversar com ela sobre suas experiências “nos velhos tempos”, quando ela trabalhava como astronauta. Estávamos voltando de uma visita que ela fez às tropas na Letônia há alguns anos e um casal CF18 fez uma interceptação prática em nós bem no norte de Quebec. Um dos meus amigos estava em um dos caças e eu disse a ele pelo rádio que tínhamos a governadora-geral e o chefe do Estado-Maior de Defesa na cabine. Ele achou isso legal, mas eu não acho que ele acreditou em mim. Então, olhei para trás e perguntei se eles não se importariam de pegar o rádio e dizer oi para meu amigo Simon, e sem hesitar, os dois o fizeram. Foi legal e tenho certeza que Simon ainda relembra esse dia de vez em quando com seus amigos combatentes.

Wave – Tem alguma dica para alguém que gostaria de ser piloto e até mesmo fazer parte da Força Aérea?
Eric – Dizem que se você ama o que faz, nunca vai trabalhar um dia na vida – isso não poderia ser mais verdadeiro. Quando eu era criança, tive uma professora de francês que ficava zangada comigo quando me pegava sonhando acordado pela janela em sua classe. Um dia, quando eu estava olhando pela janela vendo aviões no céu e me perguntando como seria estar lá voando, ela me repreendeu dizendo que eu precisava prestar atenção porque eu nunca encontraria um emprego onde fosse pago sentar e olhar pela janela.
Há alguns anos, eu estava na metade de um voo de 10 horas sobre o Pacífico. Tirei uma foto minha lá em cima, cerca de 12 km acima do mar, olhando pela janela para a bela Ilha Wake. Mandei a foto para um amigo onde cresci e pedi que ele a repassasse para a Sra. Costa. Aparentemente, ela se lembrou de mim e deu uma boa risada do cartão que escrevi para ela que dizia “Acho que você estava errada afinal, obrigado pela motivação, com uma “carinha sorridente” ao final da mensagem.

Tudo isso para dizer, siga os seus sonhos. Eu realmente acredito que não há nada que um pouco de trabalho árduo, dedicação, esforço e talvez um pouco de sorte possa te ajudar.

1 COMENTÁRIO

  1. Erik tu é o Cara!
    Domina quatro idiomas, vive a vida intensamente e com o desprendimento de fazer o bem ao outro!!!!

    Grande abraço.

Comments are closed.