Hamilton, Ontario, atrai cada vez mais estudantes brasileiros de intercâmbio

0
649

Por Fátima Mesquita

O número de alunos brasileiros que fazem cursos fora do país tem só aumentado. Segundo os dados mais recentes consolidados pela Associação Brasileira de Agências de Intercâmbio (Belta), mais de 300 mil pessoas fizeram as malas e colocaram o pé no avião para ganhar novas competências e experiências pelo mundo afora em 2017. E há mais de uma década o destino preferido desta turma tem sido um só: o Canadá.

O país abocanha 23% deste mercado, ou seja, recebeu impressionantes 70 mil estudantes brasileiros em 2017. E a pesquisa da Belta explica que essa preferência é o resultado de uma coleção de fatores em que pesa, claro, o câmbio favorável, mas a escolha também passa pelo multiculturalismo e a receptividade ao estrangeiro, a segurança pública, a qualidade dos cursos e, sobretudo, a qualidade de vida.

O Canadá aparece mesmo nas primeiras colocações em diversas pesquisas que comparam cidades ou países do mundo todo. No ranking da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), por exemplo, o país é o quinto melhor lugar para se viver – enquanto o Brasil vem em 34º lugar.

Estudar no Canadá. Além do aprendizado do inglês

Dentre as preferências brasileiras em termos de estudo, a prioridade continua sendo o aprendizado do inglês, com uma queda na procura por intercâmbio de ensino médio e um crescimento significativo na demanda por certificações profissionais tipo college, cursos de graduação e programas de mestrado e doutorado.

Isto faz sentido dos dois lados. Numa ponta, as pessoas querem se diferenciar no mercado de trabalho brasileiro. Na outra, o Canadá conta com nove universidades entre as top 200 do mundo, segundo o prestigiado ranking da Times Higher Education em sua versão de 2019.

Para coroar, dependendo do curso, o Canadá permite que o estudante estrangeiro trabalhe até 20 horas por semana. E, após a conclusão, há ainda a possibilidade de se obter uma permissão especial para permanecer no país que, aliás, tem a maior taxa de imigração per capita do mundo. Mas que cidade escolher?

Apesar de ser um país bilíngue, a procura dos brasileiros por cursos de idioma no Canadá é dominada pelo inglês, que garante 80% do mercado, com destaque para as cidades de Toronto e Vancouver. Já para os 20% interessados no francês, os destinos preferidos são Montreal — disparado na frente — e depois Quebec City. Porém, aos poucos os brasileiros tem descoberto uma opção interessante: a cidade de Hamilton.

UM SEGREDO REVELADO: A CIDADE DE HAMILTON

A apenas 68 km de Toronto, Hamilton é um município de médio porte, com pouco menos de 550 mil habitantes. Por abrigar a McMaster – a 4ª melhor universidade do país e a 77ª melhor do mundo – e ainda o respeitado Mohawk College, a cidade tem um clima internacional, inteligente e agitado com um calendário cheio de festivais, eventos culturais e esportivos (os jogos de futebol do Pan rolaram por lá!).

Além disso, Hamilton, que tem um passado industrial muito forte, é muito verde. A cidade divide com sua vizinha, Burlington, um enorme e belo jardim botânico, o Royal Botanical Gardens. E oferece oportunidades incríveis de se ver cervos ao ar livre num cantinho chamado Paradise Cootes, bem próximo do campus central da universidade, em especial durante o inverno.

Situada entre o lago Ontário e o Niagara Escarpment, Hamilton oferece mais de 100 cachoeiras abertas para visitação e belas trilhas para caminhadas com diferentes níveis de dificuldades. Está ainda a poucos quilômetros de distância de Niagara Falls e toda área produtora de vinho.

Outros destaques importantes são a sua incrível rede de hospitais e médicos, alimentada em especial pela escola de medicina da McMaster, e a diversidade da sua população. Afinal de contas, não é em qualquer lugar do Canadá que se pode matar a saudade de casa saindo para comprar quibe, coxinha, azeite de dendê, farofa, chuchu, quiabo e pão de queijo congelado… 

E o melhor: tudo isto com um custo de vida bem mais em conta que o das grandes cidades do país.