Onda de calor sem precedentes no oeste canadense

Recorde de temperatura positiva assusta até mesmo os brasileiros, acostumados com o clima quente

0
102
A imagem de um homem com um pano gelado à testa evidencia a necessidade de estratégias para o enfrentamento da onda de calor sem precedentes no oeste canadense,em 2021
…. que calor!

Onda de calor sem precedentes no oeste canadense

O oeste canadense vem enfrentando uma onda de calor sem precedente. Não está fácil para ninguém. Os termômetros se elevam, a sensação de calor se mostra insuportável e os serviços e negócios se vêem obrigados a alterarem suas rotinas. Tal condição tão especial e sem precedentes é um risco à saúde de muitos, levando, infelizmente, a alguns casos de morte.

Prince George e Lytton

Em Prince George, capital do norte da Colúmbia Britânica, os estoques de ar-condicionado e ventiladores estão esgotados em todas as lojas. Postagens de pessoas em busca de um desses aparelhos se multiplicam a cada dia nas redes sociais e em grupos virtuais locais de venda de produtos de segunda mão. Isso evidencia que nem a população, nem o comércio estavam preparados para este fenômeno meteorológico recente. Na última semana de junho, os termômetros da cidade chegaram a marcar elevados 38°C.

Grande parte do oeste canadense bateu recordes locais de calor. O município de Lytton, também em BC, por exemplo, chegou a 49,6° C, maior temperatura já registrada em todo o Canadá desde 1937, em que o recorde do país era de 45° C. O número de mortes na província em decorrência dessa onda de ar quente já chegou à casa das centenas — 230 até o dia 29 de junho. Escolas e edifícios profissionais fecharam as portas, assim como diversas unidades de daycare.

Consequências devastadoras desta onda de calor

Em 30 de junho de 2021, um dia após Lytton estabelecer um recorde canadense de temperatura máxima de 49,6° C (121,3° F), um incêndio varreu a comunidade, destruindo casas, prédios e estruturas. A pequena cidade recebeu uma ordem de evacuação total. Após o incêndio, o MP local Brad Vis afirmou que 90% da vila havia pegado fogo. [Wikipedia]

Estratégias para enfrentar o calor

Mesmo os brasileiros, acostumados com o clima de verão, estão sofrendo com a situação. Esse é o caso da carioca Jéssica Chaves Cardoso, que era residente de Prince George e mudou-se com o namorado, Justin Gage, para para Edmonton, em Alberta, recentemente. Ela já enfrenta a alta da temperatura na região em que mora, mas está se preparando para a chegada da onda de calor que se encaminha esta semana de Colúmbia Britânica para sua província. “Como sou do Rio de Janeiro, 40° C é normal para mim, então, quando meu companheiro sugeriu comprarmos um ar-condicionado, duvidei que seria necessário. Acabei me arrependendo. Nossos dois gatos, Hobbes e Maya, estão sofrendo, e agora já não encontramos aparelhos de refrigeração para vender em lugar nenhum. Tivemos de adquirir um on-line, que só chegou hoje, dias depois”, conta ela.

O casal Jéssica Chaves Cardoso, brasileira, e Justin Gage, canadense, com os gatos Maya e Hobbes no colo, indicando que também os gatos sofrem com a atual onda de calor no oeste do Canadá.
O casal Jéssica Chaves Cardoso e Justin Gage, com os gatos Maya e Hobbes

Além de fatores relacionados às mudanças climáticas, a forte onda de calor tem como causa uma região de alta pressão que acaba por aprisionar o ar quente na área afetada. Até pouco tempo, menos de 40% dos moradores de BC tinham ar-condicionado em suas residências, segundo estudo de B.C. Hydro. Justin, que nasceu e cresceu em Prince George, conta que nunca havia vivenciado uma temperatura desse tipo na cidade. A família dele passou a dormir no porão da casa, que é mais fresco que o piso principal, para enfrentar o calorão.

Passeio de carro com ar refrigerado e toalhas umidecida são soluções criativas para o alívio do calor

Já em Edmonton, enquanto o ar-condicionado não chegava, Justin e Jéssica criaram estratégias para driblar o problema, como congelar toalhas molhadas para colocar perto dos gatos de estimação, usar água gelada no humidificador e gelo em frente ao ventilador. “Teve um dia que a gente até levou nossos bichinhos para o carro, que tem ar-condicionado, e ficamos dando voltas pela cidade para refrescar”, conta Jéssica. Agora que o aparelho finalmente chegou no apartamento do casal, a ideia não é sair tão cedo na rua. “Vamos nos manter no geladinho até essa onda de calor passar. Teremos outros momentos para aproveitar o verão canadense”, completa ela.


Leia na Wave 95:


Sol escaldante e calor intenso! Como o carioca aguenta?