Paulão do Vôlei – Novo presidente da Fundação Catarinense de Esporte

É sempre um privilégio entrevistar Paulo André Jukoski da Silva, conhecido como Paulão do Vôlei. Esse atleta foi Ouro Olímpico pela seleção brasileira de vôlei nos Jogos de Barcelona 1992. Com uma carreira de muitos êxitos, Paulão participou das Olimpíadas de Seul 1988 e de Atlanta 1996. Um pouco dessa longa trajetória de sucesso pode ser lida na edição da Wave de junho de 2021, quando fiz a minha prmeira entrevista com ele.

Paulão do Vôlei. (Foto: divulgação0

Depois de se aposentar das quadras, Paulão assumiu a carreira política junto ao Ministério do Esporte e trouxe importantes contribuições ao apoiar projetos esportivos voltados para a educação e a inclusão social.

Com a proximidade da edição dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Paris 2024 – de 26 de julho a 1 de agosto – entrevistei mais uma vez o Paulão do Vôlei, como gosta de ser chamado, agora no cargo de presidente da Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte). Nela, Paulão tem dois importantes objetivos a cumprir: a elaboração de um calendário esportivo de peso para Santa Catarina e o estabelecimento de um novo modelo de gestão para a Fundação.

Rosemary – Desde a nossa última entrevista que você deu para a Brazilian Wave, quais seriam as atualizações no mundo do Voleibol?
Paulão – Primeiro quero agradecer pela lembrança do meu nome e pela oportunidade de uma conversa de atualização. O vôlei aqui em Santa Catarina continua crescendo muito bem, com foco na competitividade das equipes das categorias até 19 anos. Com os mais novos, crianças de 5 anos, despertamos a consciência motora e com aqueles na faixa dos 12 a 13 anos, começamos a vislumbrar um trabalho mais competitivo. Com muita honra, após convite, aceitei o cargo de presidente da Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte ), podendo assim atuar na liderança de importantes inicativas esportivas em um estado que investe muito no esporte. Melhor ainda agora, em um ano em que acontecem as Olímpadas e as Paralimpíadas. Eu fico muito orgulhoso de poder contribuir com a minha experiência de atleta olímpico. Acredito no esporte como ambiente educativo e de capacitação.

Rosemary – Você está envolvido nos Jogos Paralímpicos também?
Paulão – Uma das minhas bandeiras são os Jogos Paralímpicos. Eu gosto muito e busco por investimentos para aparelhar os espaços esportivos com mais equipamentos e aumentar a qualidade de treinamento (tournament). O alto rendimento paraolímpico é uma coisa que me encanta muito. Além do acesso a recursos financeiros, tem outros investimentos, como por exemplo, as técnica pedagógicas desenvolvidas nas escolas. A atual parceria com os comitês Olímpico e Paralímpico traz para Santa Catarina uma margem de desenvolvimento maravilhosa.

Rosemary – Na nossa última conversa, você declarou interesse em viver no Canadá. Isso ainda existe?
Paulão – O Canadá sempre me atraiu pela qualidade dos esportes, dos equipamentos e do trabalho desenvolvido. Veja que aqui em casa todo mundo respira, come e dorme voleibol: o Pedro está jogando na Arábia e a Pietra continua jogando no Fluminense na Liga Profissional Nacional do Brasil. Como o voleibol do Canadá é muito bom, sempre está a oportunidade de sair.

Rosemary – Existem parcerias com países lusófonos em relação o voleibal?
Paulão: O Brasil seria uma ótima referência para as Olimpíadas e as Paralimpíadas. Portugal já tem uma equipe forte e então, eu gostaria de ver os países de língua portuguesa desenvolverem mais esse esporte, o voleibol.

Advertisement