Dicas sobre a cidade de Sudbury, Ontário

0
283
Escultura de pedra e a cidade Greater Sudbury ao fundo, no inverno. (Fonte da foto: www.northeasternontario.com)

Greater Sudbury: a cidade do níquel e do verde

Localizada ao norte da província de Ontário, Greater Sudbury é um importante polo de desenvolvimento regional, hoje com cerca de 165 mil habitantes. Com um ar cada vez mais limpo e saudável, e uma paisagem cada vez mais verde, a vida e o turismo local vem se voltando cada vez mais à qualidade do meio ambiente, que inclui os mais de 300 lagos nos arredores da cidade. Mas, nem sempre foi assim.

Por muitas décadas a cidade conviveu com uma poluição ambiental acentuada provocada pelas atividades mineradoras. A contaminação dos solos, das águas e a redução da vegetação foram as consequências mais visíveis da perda da qualidade de vida. Em reação a isto, há mais de 40 anos a cidade investe e trabalha em sua recuperação ambiental. Estima-se que mais de 10 milhões de árvores foram plantadas ao longo de mais de três décadas. Toda essa mobilização conjunta impressiona e permite que Greater Sudbury seja, hoje, uma cidade agradável a seus moradores e convidativa aos turistas.

O tradicional apelido de “cidade do níquel” reconhece a importância deste minério no crescimento local. Mas, diante de toda uma mobilização da comunidade – dos moradores e dos esforços públicos e privados – dedicada à recuperação da qualidade de vida da cidade, um bom apelido para a Greater Sudbury do século XXI não seria “Cidade do Verde”?

A poluição de ontem

No século XX, a mineração já dominava a economia da região, com destaque para a extração e o refinamento do níquel. A poluição que saía das chaminés se espalhava com o vento e, além de contaminar solos e lagos, destruía a vegetação.

Nos anos de 1960, a poluição do ar provocada pelas atividades mineradoras no Canadá e em outros países industrializados começaram a ganhar destaque, negativo. A tal ponto que, em 1972, a ONU realizou a Conferência Mundial sobre o Homem e o Meio Ambiente, para que representantes de 144 países e comunidade científica debatessem e buscassem orientações para combaterem a degradação ambiental da Terra.

Sob pressão internacional, as indústrias mineradoras de Greater Sudbury tiveram que se ajustar e, naquele mesmo ano, implantaram a bigstak, um modelo de chaminé gigante de 400 metros de altura, que lançava os gases venenosos às camadas mais altas da atmosfera. A bigstak e o fechamento de algumas usinas levaram a uma significativa redução da poluição na região de Great Sudbury.

Mas, a contaminação dos solos, das águas e das florestas acumulada ao longo dos anos era algo tão drástico, que somente um esforço conjunto poderia levar à superação dos danos. Em 1974, a Laurentian University, em parceria com a comunidade, a indústria e o governo lançou o Regreening. Este programa de recuperação ambiental, marco na transformação de Greater Sudbury, mostra ao mundo a sua força e relevância ao manter-se em atividade, ainda nos dias atuais.

O lago Ramsey e o parque Bell em Sudbury, Ontario, durante o outono. (Foto 94879223 © Aqnus FebriyantDreamstime.com)

As boas conquistas de hoje

Em termos de recuperação ambiental, já são mais de 40 anos de ações voltadas à reabilitação da paisagem, das águas e do verde da Greater Sudbury. E no rastro dessas transformações, ficou evidente a necessidade de outras iniciativas que ajudassem a cidade a sair da forte dependência da mineração.

Ao longo dos anos, a educação e a saúde receberam atenção especial no plano de desenvolvimento e são hoje, os setores que mais empregam na cidade. Também o setor comercial movimenta a economia de Greater Sudbury. Shoppings e marcas da moda fazem da cidade um polo comercial de toda a região.

Mais recentemente, Greater Sudbury se voltou para uma área nova e busca posicionar-se como referencia na indústria de produção de filmes e séries, um mercado em franca expansão no Canadá. A diversidade geográfica e arquitetônica da cidade e da região como um todo oferece ambientes para produções contemporâneas, de ficção ou de época.

Para cultura e entretenimento, uma boa opção é o popular centro Science North, procurado pelo seu planetário, pelo cinema IMAX- image maximum e pela a réplica gigante de um níquel canadense. As populares caminhadas com raquetes de neve, o snowshoeing, valem um bom divertimento ao ar livre! A Laurentian University, por exemplo, tem mais de 50 km de trilhas de snowshoeing voluntariamente operadas e conservadas pelo Ski Club, um tradicional clube comunitário local, sem fins lucrativos.

Conheçam e visitem Greater Sudbury: a cidade do níquel…e do verde!

Curiosidades da Greater Sudbury

  • A cidade foi formada em 2001, pela junção de um conjunto de vilas, cidades e municípios e encontra-se a cerca de 400 quilômetros de Toronto, 480 km de Ottawa e 680 km de Montreal.
  • A presença de níquel na região deve-se a colisão de um asteroide com a terra, há milhões de anos. Com o impacto, o magma subiu à superfície da terra, trazendo esses e outros metais.
  • Cerca de 40% da população falam o inglês e do francês e a educação do jardim de infância até o 12º ano é oferecida nesses dois idiomas oficiais do Canadá.
  • Com invernos longos e frios, espera-se neve na cidade por seis meses do ano. A temperatura média máxima em janeiro é de -8,4 °C.
  • Desde 1972, o festival de música Northern Lights Festival Boréal acontece todos os anos. Pela primeira vez em sua história, uma de suas edições, a de 2020, foi adiada, em função da pandemia COVID-19.

Passeio de carro por Sudbury

Passeio de “drone” pelo parque Bell

Outros links interessantes (em inglês)